0800 777 2050
(34)
(34)99982-0644
(34)98400-8040
(34)99214-8470
(34)99870-1035(EMERGÊNCIA)
Ok
Vida Nova
Pastor Pacificador, o
veja mais fotos
Pastor Pacificador, o
Pastor Pacificador, o
Pastor Pacificador, o
Pastor Pacificador, o
Autor (es):
De: R$ 77,22
Por 3 x de:
R$ 22,88
ou em ate 6x no cartão
Nesta obra, explorando de forma aprofundada uma teologia da reconciliação, o autor acrescenta lições extraídas de sua experiência pessoal e fornece passos práticos para uma mediação eficaz. Com esse guia completo nas mãos, você poderá abraçar a pacificação com confiança, como uma forma de glorificar a Deus por meio do poder de superação do evangelho. E com isso será abençoado, como prometeu Jesus a todos os pacificadores. "Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de
Deus" (Mt 5.9).
Páginas: 288
Peso: 0.427
Tamanho: 16 x 23
Edição: 2011
Volume: 1
isbn: 978-85-275-0472-0
Ano Lançamento: 2011

 


Todo pastor enfrenta conflitos na igreja. Por isso, Alfred Poirier faz aos pastores este lembrete amoroso: podemos correr dos conflitos, mas não podemos evitá-los. Jesus foi o exemplo vivo do Pacificador encarnado, e nas Escrituras encontramos claramente um chamado aos pastores para que sejam ministros da reconciliação. Assim, a questão não é se o pastor deve ou não ser um mediador, mas sim que tipo de mediador ele será.


Nesta obra, explorando de forma aprofundada uma teologia da reconciliação, o autor acrescenta lições extraídas de sua experiência pessoal e fornece passos práticos para uma mediação eficaz. Com esse guia completo nas mãos, você poderá abraçar a pacificação com confiança, como uma forma de glorificar a Deus por meio do poder de superação do evangelho. E com isso será abençoado, como prometeu Jesus a todos os pacificadores. “Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de 
Deus” (Mt 5.9).




Endosso




 


“Os pastores lutam nas frentes da guerra espiritual que envolve o mundo. Com bastante frequência suas maiores batalhas se dão dentro da própria igreja, onde eles se veem pegos pelo fogo cruzado dos conflitos pessoais, teológicos e congregacionais. Esses conflitos intermináveis acabam por deixar muitos pastores — e suas famílias — tão exaustos e feridos que eles perdem sua alegria pelo minis­tério ou chegam a deixar o pastorado. Este livro fornece uma estratégia centrada no evangelho, perfeita para preparar pastores para se tornarem pacificadores altamente eficientes e capazes de liderar seu rebanho com segurança através dos conflitos, ao mesmo tempo em que constroem na igreja uma cultura de paz.”Ken Sande, presidente, Peacemaker Ministries


“De maneira solidamente espiritual um pastor veterano explica nesta obra como a igreja local, por meio de seus líderes, pode vir a ser a comunidade de paz e segurança que é chamada para ser, em vez do lugar de hostilidades que muitas vezes é. Este é um livro muito salutar acerca de um tema muito sensível.” J. I. Packer, professor de teologia, Regent College


“Uma cultura de paz deve ser caraterística do povo da aliança de Deus. Esta obra traz uma sólida visão global da pacificação bíblica que pode ajudar pastores e suas igrejas a levarem adiante o evangelho da paz em sua vida pessoal, familiar, na igreja e na comunidade em que vivem.”Tony Evans, pastor senior, Oak Cliff Bible Fellowship;presidente, The Urban Alternative


“Baseada na rara combinação de pesquisa e experiência prática, esta obra de Alfred Poirier é uma leitura essencial para todos que se importam com a paz e a pureza da igreja visível de Cristo. Todo pastor e líder conhece bem o grande desafio de ‘manter a unidade do Espírito no vínculo da paz’, mas este livro oferece rica sabedoria para essa difícil tarefa. Leia­o antes da próxima tempestade e estará bem mais preparado para enfrentá­la!” Michael Horton, professor de teologia sistemática e apologética, Westminster Seminary California


“O pastor Poirier chama a si mesmo de ‘projeto de pacificador’, mas faz algo nesta obra que de fato pode ajudar a igreja de hoje a lidar com os conflitos e divisões que prejudicam nossa vida em união com Cristo. Ele nos apresenta uma perspectiva inteiramente bíblica e teologicamente consistente sobre o ministério de reconciliação no contexto da igreja local. Todo pastor, líder e seminarista que esteja se preparando para o ministério deve ler este livro!”Timothy George, deão, Beeson Divinity School, Samford University; editor executivo, Christianity Today


“A Bíblia nos diz para viver em paz com todos, naquilo que nos compete. A esse mundo tão repleto de conflitos chega esta obra muito bem­vinda de Alfred Poirier, O pastor pacificador: um guia bí­blico para a solução de conflitos na igreja. Este livro fornece boas sugestões de como pastores podem ser parte importante da solução, e não meros espectadores dos conflitos .”D. James Kennedy, pastor senior, Coral Ridge Presbyterian Church


 


Sumário


Introdução.......................................................................011


Esperança para um herege................................................019


Os caminhos do conflito ...................................................031


O coração do conflito .......................................................049


A glória de Deus no conflito ..............................................073


A pacificação na família de Deus........................................091


Confessando nossos pecados uns para os outros.................111


Concedendo o perdão verdadeiro ......................................131


Buscando o interesse dos outros .......................................155


O pastor como mediador...................................................177


Mediação e arbitragem......................................................193


Princípios de disciplina na igreja .........................................213


Práticas de disciplina na igreja............................................235


Em direção a tornar-se uma igreja pacificadora.....................257




Introdução



O motivo que leva muitos a entrar no pastorado é Cristo. E o motivo que leva muitos a deixá-lo são os conflitos. A maioria dos seminaristas assume o ofício pastoral sem ter consciência e sem estar preparado para lidar com os conflitos que inevitavelmente enfrentarão em suas igrejas. Muitos jovens pastores começam sua carreira acreditando, com ingenuidade, que uma pregação ortodoxa, um culto bem organizado e um número suficiente de diferentes locais para discipulado é tudo de que precisam para fazer com que seus membros cresçam na fé e sua igreja em números. Porém, uma vez envolvidos no pastorado — uma realidade repleta de conflitos e agravada por sua própria inabilidade de lidar com eles de maneira sábia, piedosa e pautada no evangelho — percebem que tudo isso logo prejudica sua eficácia como pastor e o próprio testemunho da igreja.Uma série de pesquisas aplicadas pela Christianity Today confirma essa evidente deficiência na área do treinamento pastoral. Os pastores mencionaram a gestão de conflitos como a área de treinamento mais necessária da qual sentiram falta durante seu período de estudos em seminários e institutos bíblicos.Em outra pesquisa os pastores entrevistados confessaram que as duas coisas que mais contribuíam para o que eles chamam de pontos críticos em seu ministério foram os problemas e conflitos internos na igreja e o relacionamento ruim com os líderes do conselho.Uma terceira pesquisa, sinistramente intitulada “saídas forçadas”, revela que os conflitos levam muitos pastores a deixarem suas igrejas(ou a serem demitidos!) e que as igrejas em geral, e seus líderes em particular,não estão preparados para lidar com conflitos. John LaRue Jr resume da seguinte forma o que veio a descobrir:Outras causas [para as saídas forçadas] incluíram conflitos de personalidade (com a congregação e/ou com o conselho da igreja) e expectativas não realistas (tanto da parte dos pastores quanto das igrejas). Nas igrejas em que os pastores foram obrigados a deixar o ministério, a ocorrência de conflito entre o conselho e o pastor era duas vezes e meia mais provável do que nas demais igrejas em geral. O conflito entre integrantes da equipe pastoral era outro fator de peso. Entre aqueles que chegaram a ser demitidos notou-se que havia nove vezes mais probabilidade de terem tido algum conflito de personalidade com o pastor sênior do que entre os que ainda trabalhavam na igreja.



 


 


 

Matricule-se Agora!
Selecione os cursos de sua opção:
Ao preencher este formulário declaro que li e concordo com a Política de privacidade e o contrato de prestação de serviço deste Web Site.